As linhas de crédito garantidas por títulos podem ser mais perigosas do que as contas de margem

Many investors have heard of margin accounts and the horror stories of others who invested on margin and suffered substantial losses. But few investors understand that securities-backed lines of credit (SBL) accounts, which have been aggressively promoted by brokerage firms in the last decade, are just as dangerous as margin accounts. This is largely due to the fact that the equity and bond markets have been on an upward trend since 2009 and few investors (unless you are a Puerto Rico investor) have experienced market slides resulting in margin calls due to the insufficient amount of collateral in the SBL accounts. Securities-Backed Lines of Credit Overview It is only over the last several months of market volatility that investors have begun to feel the wrath of margin calls and understand the high risks associated with investing in SBL accounts. For investors considering your stockbroker’s offer of a line of credit (a loan at a variable or fixed rate of interest) to finance a residence, a boat, or to pay taxes or for your child’s college education, you may want to read a little more about the nature, mechanics, and risks of SBL accounts before you sign the collateral account agreement and pledge away your life savings to the brokerage firm in exchange for the same loan you could have obtained from another bank without all the risk associated with SBL accounts. First, it may be helpful to understand just why SBL accounts have become so popular over the last decade. It should be no surprise that the primary reason for your stockbroker’s offering of an SBL is that both the brokerage firm and he/she make money. Over many years, the source of revenues for brokerage firms has shifted from transaction-based commissions to fee-based investments, limited partnerships, real estate investment trusts (REITs), structured products, managed accounts, and income earned from lending money to clients in SBL and margin accounts. Many more investors seem to be aware of the danger of borrowing in margin accounts for the purposes of buying and selling securities, so the brokerage firms expanded their banking activities with their banking affiliates to expand the market and their profitability in the lending arena through SBL accounts. The typical sales pitch is that SBL accounts are an easy and inexpensive way to access cash by borrowing against the assets in your investment portfolio without having to liquidate any securities you own so that you can continue to profit from your stockbroker’s supposedly successful and infallible investment strategy. Today the SBL lending business is perhaps one of the more profitable divisions at any brokerage firm and banking affiliate offering that product because the brokerage firm retains assets under management and the fees related thereto and the banking affiliate earns interest income from another market it did not otherwise have direct access to. For the benefit of the novice investor, let me explain the basics of just how an SBL account works. An SBL account allows you to borrow money using securities held in your investment accounts as collateral for the loan. The Danger of Investing in SBL Accounts Once the account is established and you received the loan proceeds, you can continue to buy and sell securities in that account, so long as the value of the securities in the account exceeds the minimum collateral requirements of the banking affiliate, which can change just like the margin requirements at a brokerage firm. Assuming you meet those collateral requirements, you only make monthly interest-only payments and the loan remains outstanding until it is repaid. You can pay down the loan balance at any time, and borrow again and pay it down, and borrow again, so long as the SBL account has sufficient collateral and you make the monthly interest-only payments in your SBL account. In fact, the monthly interest-only payments can be paid by borrowing additional money from the bank to satisfy them until you reach a credit limit or the collateral in your account becomes insufficient at your brokerage firm and its banking affiliate’s discretion. We have heard some stockbrokers describe SBLs as equivalent to home equity lines, but they are not really the same. Yes, they are similar in the sense that the amount of equity in your SBL account, like your equity in your house, is collateral for a loan, but you will not lose your house without notice or a lengthy foreclosure process. On the other hand, you can lose all of your securities in your SBL account if the market goes south and the brokerage firm along with its banking affiliate sell, without prior notice, all of the securities serving as collateral in the SBL account. You might ask how can that happen; that is, sell the securities in your SBL account, without notice? Well, when you open up an SBL account, the brokerage firm and its banking affiliate and you will execute a contract, a loan agreement that specifies the maximum amount the bank will agree to lend you in exchange for your agreement to pledge your investment account assets as collateral for the loan. You also agree in that contract that if the value of your securities declines to an amount that is no longer sufficient to secure your line of credit, you must agree to post additional collateral or repay the loan upon demand. Lines of credit are typically demand loans, meaning the banking affiliate can demand repayment in full at any time. Generally, you will receive a “maintenance call” from the brokerage firm and/or its banking affiliate notifying you that you must post additional collateral or repay the loan in 3 to 5 days or, if you are unable to do so, the brokerage firm will liquidate your securities and keep the cash necessary to satisfy the “maintenance call” or, in some cases, use the proceeds to pay off the entire loan. But I want to emphasize, the brokerage firm and its banking affiliate, under the terms of almost all SBL account agreements,...

Continue lendo

Investidores com contas de margem e linhas de crédito garantidas por títulos "estouradas": Como recuperar suas perdas com investimentos?

Se você está lendo este artigo, supomos que teve uma experiência ruim recentemente em uma linha de crédito garantida por títulos ("SBL") ou em uma conta de margem que sofreu chamadas de margem e foi liquidada sem aviso prévio, causando perdas. Normalmente, os investidores com chamadas de margem recebem de 3 a 5 dias para atendê-las; e se isso acontecesse, o valor dos títulos em sua conta poderia ter aumentado nesse período e a empresa poderia ter cancelado a chamada de margem e não ter liquidado sua conta. Se você é um investidor que já passou por chamadas de margem no passado e essa é sua única reclamação, não leia mais, pois quando assinou o contrato de conta com a corretora com a qual escolheu fazer negócios, provavelmente deu a ela o direito de liquidar todos os títulos em sua conta a qualquer momento sem aviso prévio. Por outro lado, se você for um investidor com pouca experiência ou com uma condição financeira modesta que foi convencido a abrir uma conta de linha de crédito garantida por valores mobiliários sem ser informado sobre a verdadeira natureza, mecânica e/ou riscos da abertura de tal conta, então você deve nos ligar agora! Como alternativa, se você for um investidor que precisou sacar dinheiro para comprar uma casa ou pagar seus impostos ou a educação de seu filho, mas foi convencido a manter uma carteira arriscada ou concentrada de ações e/ou junk bonds em uma conta de garantia penhorada para uma linha de crédito ou uma conta de margem, provavelmente também podemos ajudá-lo a recuperar suas perdas de investimento. A chave para uma recuperação bem-sucedida de sua perda de investimento é não se concentrar na liquidação da corretora dos títulos em sua conta sem aviso prévio. Em vez disso, o foco do seu caso deve ser o que lhe foi dito e se a recomendação era adequada para você antes de abrir a conta e sofrer a liquidação.

Continue lendo

O que é a obrigação de "cuidado devido" de um corretor de ações nos termos do regulamento Best Interest (Reg. BI)?

Apresentamos a nova Regulamentação de Melhores Interesses (Reg. BI) da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) logo após sua entrada em vigor e resumimos as quatro obrigações que agora estão sendo impostas aos corretores e suas pessoas associadas com relação a qualquer recomendação relacionada a valores mobiliários após 30 de junho de 2020, a saber:

Continue lendo

Investidores da UBS Yield Enhanced Strategy: Como recuperar suas perdas com o investimento "UBS-YES"?

Se você está lendo este artigo, provavelmente investiu na UBS Yield Enhanced Strategy ("UBS-YES") e ficou surpreso ao saber que o programa UBS-YES em que investiu não era exatamente uma estratégia de investimento "neutra em relação ao mercado" durante o recente crash do mercado da COVID 19. Apesar das afirmações do seu corretor da UBS sobre a capacidade dos gestores da UBS-YES de "gerir o risco" e "minimizar as perdas" através da sua estratégia de opções "iron condor", ainda assim teve perdas substanciais. Não é o único, porque foi isso que muitos outros investidores da UBS-YES nos disseram sobre a proposta que lhes foi feita para investirem no programa UBS-YES e sobre a sua experiência recente.

Continue lendo

UBS Financial Services, Inc. Processado por suposta má conduta de consultor da Flórida e de Ohio envolvendo uma estratégia de investimento em linha de crédito

O UBS Financial Services, Inc. ("UBS") empregou um consultor financeiro (o "FA") com escritórios em Bonita Springs, Flórida, e Sylvania, Ohio. O UBS apresentava o consultor financeiro e outros funcionários do UBS em sua equipe como consultores de investimento, gerentes de investimento, consultores financeiros e planejadores financeiros com habilidades especiais e experiência na gestão de carteiras de valores mobiliários e assuntos financeiros, patrimoniais, de aposentadoria e de planejamento tributário.

Continue lendo

Investidores em petróleo e gás: Como você recupera suas perdas em investimentos em petróleo e gás?

Investidores em petróleo e gás: Como recuperar suas perdas com investimentos em petróleo e gás? Se você está lendo este artigo, supomos que tenha investido em uma ou mais dessas ações, títulos, parcerias limitadas, commodities, pools de commodities e/ou produtos estruturados de petróleo e gás deturpados e inadequados como investimentos alternativos vinculados ao setor de petróleo e gás dos mercados de ações e commodities. Não ficaríamos surpresos se lhe dissessem que os grandes conglomerados de petróleo e gás tinham um histórico comprovado de grandes dividendos, muito mais altos do que os rendimentos dos investimentos de renda fixa com os quais você estava acostumado, mas nada disseram sobre a volatilidade desses tipos de investimentos. Talvez você esteja lendo esta página da Web porque seu consultor financeiro recomendou que você investisse suas economias para a aposentadoria em alguns desses produtos estruturados de petróleo e gás mais complexos e alavancados, empacotados como Exchange Traded Funds (ETFs), Exchange Traded Notes (ETNs) ou outros Exchange Traded Products (ETPs), que foram alavancados de duas a três vezes e despencaram em março deste ano. Esses investimentos não eram adequados para aposentados com perfis de risco de investidor conservador ou moderado. Seu consultor financeiro recomendou que você investisse sem explicar a natureza, a mecânica ou os riscos de qualquer um desses investimentos em petróleo e gás? Seus investimentos foram excessivamente concentrados (mais de 10% de sua carteira) pelo seu corretor de ações ou consultor de investimentos no setor de petróleo e gás para substituir os títulos que você possuía por ações que pagavam dividendos mais altos? Você perdeu 50% (cinquenta por cento) ou mais com esses investimentos em petróleo e gás? Não estamos chocados porque isso é exatamente o que muitos outros investidores nos contaram sobre o que aconteceu com eles recentemente. Agora vamos lhe dizer o que fazer em relação a essas perdas nos investimentos em petróleo e gás. Seu corretor tinha o dever não apenas de entender, mas também de explicar a natureza, a mecânica e todos os riscos associados a esses investimentos antes de vendê-los a você, particularmente algumas das disposições dos ETNs em que o corretor que emitiu os ETNs ou ETPs poderia resgatá-los ou retirá-los e forçá-lo a realizar grandes perdas. Seu corretor também tinha o dever de se certificar de que eram investimentos adequados antes de serem recomendados à luz de sua tolerância a riscos e condição financeira e de não concentrar demais os investimentos no volátil setor de petróleo e gás em seu portfólio. Infelizmente, muitos consultores financeiros que não entendiam a natureza, a mecânica ou os riscos venderam esses investimentos a clientes com risco conservador e moderado que buscavam aumentar sua renda para a aposentadoria. Esses investimentos não eram adequados para investidores com esse tipo de perfil. Se o seu consultor financeiro deturpou a natureza, a mecânica ou os riscos desses investimentos em petróleo e gás, ou se os riscos não foram totalmente explicados, ou se você estava excessivamente concentrado (mais de 10%) no setor de petróleo e gás, ou se não era do seu interesse (ou não era adequado), e/ou se seus investimentos foram liquidados sem aviso prévio devido a chamadas de margem, você pode ter o direito de apresentar uma reivindicação de arbitragem contra seu consultor financeiro e/ou a corretora que o empregou. Não há como recuperar suas perdas com esses investimentos em petróleo e gás sem uma ação judicial. No The Law Offices of Robert Wayne Pearce, P.A., representamos investidores em disputas de investimento por investimentos inadequados e deturpados em ações de petróleo e gás, títulos, parcerias limitadas, commodities, pools de commodities e/ou produtos estruturados como investimentos alternativos vinculados ao setor de petróleo e gás dos mercados de ações e commodities em procedimentos de arbitragem e mediação da FINRA. As reclamações que apresentamos são por fraude e falsas declarações, violação de dever fiduciário, falha na supervisão e recomendações inadequadas que violam as regras da SEC e da FINRA e os padrões do setor. O advogado Pearce e sua equipe representam investidores em todos os Estados Unidos com base na TAXA DE CONTINGÊNCIA, o que significa que você não paga nada - NENHUMA TAXA - NENHUM CUSTO - a menos que coloquemos dinheiro no seu bolso após recebermos um acordo ou uma sentença arbitral da FINRA. Se habla español ENTRE EM CONTATO CONOSCO PARA UMA CONSULTA INICIAL GRATUITA COM ADVOGADOS ESPECIALIZADOS EM INVESTIMENTOS EM PRODUTOS ESTRUTURADOS EM ARBITRAGENS FINRA O Law Offices of Robert Wayne Pearce, P.A. conta com advogados altamente experientes que lidaram com sucesso com muitos casos de investimentos em petróleo e gás e outras questões de leis de valores mobiliários e disputas de investimentos em procedimentos de arbitragem da FINRA, e que trabalham incansavelmente para garantir o melhor resultado possível para você e seu caso. Para obter uma representação dedicada de um advogado com mais de 40 anos de experiência e sucesso em casos de produtos estruturados e em todos os tipos de disputas de investimentos e leis de valores mobiliários, entre em contato com o escritório pelo telefone 561-338-0037, pelo número de ligação gratuita 800-732-2889 ou por e-mail.

Continue lendo

Regulamento de Melhores Interesses (Reg. BI): Melhor, mas não o melhor!

Finalmente, dez anos após a Lei Dodd Frank de Reforma de Wall Street e Proteção ao Consumidor de 2010 (Dodd-Frank) ter sido promulgada para trazer mudanças radicais ao setor de valores mobiliários, a melhor regulamentação que a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA ("SEC") poderia aprovar, a Regulamentação de Melhor Interesse da SEC, é agora a lei que rege os corretores que prestam consultoria de investimento a clientes de varejo. Embora a SEC tivesse autoridade para impor um padrão uniforme e abrangente de "Dever Fiduciário" em todo o país para corretores e consultores de investimento, ela cedeu às exigências do setor de corretagem de ações e promulgou a Regulamentação de Melhores Interesses ("Reg. BI"), que é melhor do que a "Regra de Adequação" da Autoridade Reguladora do Setor Financeiro ("FINRA"), mas não é o melhor que poderia ter sido feito para proteger os investidores. No mês passado, a FINRA alterou sua Regra de Adequação para ficar em conformidade com o Reg. BI da SEC e deixou claro que os corretores da bolsa agora têm deveres uniformes relacionados à divulgação, cuidado, conflitos e conformidade, que são equivalentes ao padrão de "dever fiduciário" da lei comum ao fazer recomendações a clientes de varejo. Veja, FINRA Regulatory Notice 20-18. 1

Continue lendo

Arbitragem da FINRA: O que esperar e por que você deve escolher nosso escritório de advocacia

Se você está lendo este artigo, provavelmente é um investidor que perdeu uma quantia substancial de dinheiro, pesquisou no Google "Advogado de Arbitragem da FINRA", clicou em vários sites de advogados e talvez até tenha falado com um suposto "Advogado de Arbitragem de Títulos" que lhe disse, após uma ligação telefônica de cinco minutos, que "você tem um ótimo caso", "precisa assinar um contrato de retenção com base em 'taxa de contingência'" e "precisa agir agora porque o prazo de prescrição vai acabar".

Continue lendo

Investidores do UBS ETRAC Exchange Traded Note: Como recuperar suas perdas com o investimento no UBS ETRAC?

Se você está lendo este artigo, supomos que tenha investido em algumas daquelas ETNs (Exchange Traded Notes) do UBS ETRAC que pagam altos dividendos e que seu corretor recomendou para aumentar sua renda de aposentadoria. Não ficaríamos surpresos se também lhe dissessem que os investimentos do UBS ETRAC tinham um histórico comprovado de grandes retornos. Provavelmente, você também ouviu: Não há necessidade de se preocupar com esses investimentos porque eles são garantidos por uma das maiores corretoras do mundo - a UBS Financial Services, Inc. (UBS). Não estamos chocados porque isso é exatamente o que muitos outros investidores nos disseram sobre a proposta feita a eles para investir nos UBS ETRACs.

Continue lendo

72 (t) Aposentadoria antecipada - não é para mim!

A Seção 72 (t) do Código da Receita Federal é frequentemente apresentada como o segredo para a aposentadoria antecipada por corretores e consultores financeiros em seminários e almoços gratuitos para funcionários de grandes corporações com planos de participação nos lucros e de pensão e 401(k)s. As apresentações são feitas em hotéis e restaurantes de luxo para induzir os funcionários a se aposentarem ou a sacarem seus 401(k)s mais cedo do que poderiam, por meio de uma brecha bastante desconhecida que permite evitar a penalidade do IRS por saque antecipado. Os funcionários também recebem a promessa de que podem sacar suas economias para a aposentadoria na faixa dos 40-50 anos, reinvestir o dinheiro e viver dos rendimentos pelo resto de suas vidas. Mas os benefícios da aposentadoria antecipada são muito mais do que apenas evitar a penalidade do IRS.

Continue lendo